Um poema de Matheus Guménin Barreto em espanhol (tradução de Sergio Ernesto Ríos) – 25.6.2019

INÚTIL

Inútil
inútil el gesto el plexo el beso
inútil el deseo y el no deseo
[igualmente
Inútil inútil el salto y la pausa
Inútil la mano en el hombro ajeno
[y propio

Inútil soberanamente inútil
el gesto el plexo el beso
en los prados afilados de verde
en las geometrías oscuras de la mente

y esas ganas de amar.

*

INÚTIL

Inútil
inútil o gesto o plexo o beijo
inútil o desejo e o não-desejo
[igualmente
Inútil inútil o salto e a pausa
Inútil a mão no ombro alheio
[e próprio

Inútil soberanamente inútil
o gesto o plexo o beijo
nas campinas afiadas de verde
nas geometrias escuras da mente

e essa vontade de amar.

Cinco poemas de Matheus Guménin Barreto – Revista Média Santista – 19.6.2019

(Fonte: https://felipenasc50.wixsite.com/revistamediasantista/post/cinco-poemas-de-matheus-gum%C3%A9nin-barreto?fbclid=IwAR1WLezS0BMYw7Ft9vzl2YP_o6FBLYKd7JO5_Z1tSfIQm4pTSrPxEv-9y2U )

 

Matheus Guménin Barreto (1992- ) é poeta e tradutor mato-grossense. É autor dos livros de poemas A máquina de carregar nadas (7Letras, 2017) e Poemas em torno do chão & Primeiros poemas (Carlini & Caniato, 2018). Doutorando da Universidade de São Paulo (USP) na área de Língua e Literatura Alemãs – subárea tradução -, estudou também na Universidade de Heidelberg (Alemanha). Encontram-se textos seus no Brasil, na Espanha e em Portugal (Revista Cult, Escamandro, plaquete “Vozes, Versos”, Palavra Comum, Enfermaria 6, Revista Escriva [PUC-RS], Revista Magma [USP], Revista Opiniães [USP], A Bacana, Diário de Cuiabá; entre outros), e integrou o Printemps Littéraire Brésilien 2018 na França e na Bélgica a convite da Universidade Sorbonne. Publicou em periódicos ou em livros traduções de Bertolt Brecht, Erich Kästner, Ingeborg Bachmann, Johannes Bobrowski, Nelly Sachs, Paul Celan, Peter Waterhouse e outros.

Os 5 poemas abaixo são do livro A máquina de carregar nadas.

***

O ÚLTIMO POEMA OU RIO LETE
Para a amiga Juliana Pasquarelli Perez
“Um dia em que se possa não saber.” (Sophia de Mello Breyner Andresen, “Intervalo II”, 1950)

A cabeça no limbo do tempo.
Descansar já sem rosto e sem nome
e, deitado no córrego insone,
esquecer-se do bicho, do homem
e, com o tempo, esquecer-se do tempo.

*

O NULO POETA/EMA

quando hutus exterminaram tutsis
quando hutus exterminaram tutsis
quando hutus exterminaram tutsis
quando tutsis exterminaram tutsis

.

e quando o poeta escreve
[quando tutsis exterminaram tutsis
pecado
pecado
pelo pecado pelo pec-
ado
peca/do
pecado de não saber o que são tutsis
tutsis o que são
o que são tutsis
quem são
hutus
o que
exterminaram
tutsis
e procura onde fica Ruanda
Ruanda¿
e chora de não saber onde fica
onde fica
exterminaram tutsis
Ruanda

– a maioria a golpes de facão.

*

POEMA DO AMADO PARA SEU AMADO

“Penteei-me para o rei
Mas foi ao escravo que dei as tranças do meu cabelo” (Ana Paula Tavares, Manual para amantes desesperados, 2007)

a)
os dentes
teus amanhecem quando me veem
e compreendo
o inerte ofício das pedras
– plenas completas alegres.

b)
a voz amanhece na tua boca
ilumina: da garganta
ruminando o que não fora dito,
inaudito, e o que se ficou por dizer

pois

a voz amanhece na tua boca
e o contorno do sol posto
fica pregado
fica pregado
nas pálpebras

fechadas de pôr do sol

c)
e tua boca anoitece
quando o silêncio pousa e faz ninho nos teus lábios

até que
então nasce outra vez
o sol
da tua garganta áspera
raia outra vez, já à espera paciente
da hora de se pôr

flor
que anoitece

– e o eclipse do corpo meu
é violento

*

PRIMEIRO

O toque mesmo nas coisas
para lembrar as mãos da
arquitetura limpa daquilo
que o mundo gestou.

A mão limpa, cartesiana, reta
pelas coisas
para tirar o pó sobre os nomes

sol, xícara, casca, ladrilho, pêssego, miséria

e tocar outra vez
como no Dia Primeiro
algo dos nomes
que vibre.

*

CANTO DE DISSOLUÇÃO

Sepultadas no tempo
deitam-se as coisas todas,
que já nem coisas são,
mas memória de coisas.

Sepultados no tempo
afundam-se os rostos
todos, ou quase todos,
e as datas, risos, gostos.

Sepultadas no tempo
jazem as nossas vidas,
num tempo em que não são
nem gozo nem ferida.

Sepultados, enfim,
no tempo, todos nós.

Onde não há nem feito,
nem pessoa, nem voz.

Um poema de Matheus Guménin Barreto em catalão (tradução de Josep Domènech Ponsatí) – 30.5.2019

PRIMER
El propi toc en les coses
per recordar les mans de
l’arquitectura neta d’allò
que el món va crear.

La mà neta, cartesiana, recta
per les coses
per treure la pols dels noms

sol, tassa, clova, rajols, préssecs, misèria

i tocar un altre cop
com el Dia Primer
alguna cosa dels noms
que vibri.

*

PRIMEIRO
O toque mesmo nas coisas
para lembrar as mãos da
arquitetura limpa daquilo
que o mundo gestou.

A mão limpa, cartesiana, reta
pelas coisas
para tirar o pó sobre os nomes

sol, xícara, casca, ladrilho, pêssego, miséria

e tocar outra vez
como no Dia Primeiro
algo dos nomes
que vibre.

Dois poemas de Matheus Guménin Barreto – Revista Arribação – 5.6.2019

(Fonte: https://arribacao.wordpress.com/2019/06/05/dois-poemas-de-matheus-gumenin-barreto/ )

 

PRIMEIRO

O toque mesmo nas coisas
para lembrar as mãos da
arquitetura limpa daquilo
que o mundo gestou.

A mão limpa, cartesiana, reta
pelas coisas
para tirar o pó sobre os nomes

sol, xícara, casca, ladrilho, pêssego, miséria

e tocar outra vez
como no Dia Primeiro
algo dos nomes
que vibre.

*

Aquilo que me sou não me é nunca.
Pensando o que serei no escasso espaço
de mim, não sei se penso e sou aquilo
ou se, pensando, passa o tempo e passo

– se passo e já não sou o que pensara,
nem o que penso agora e que já passa.
Não sei se algum momento embosco aquele
que vejo ou se descubro-me sua caça.

 

***

 

Matheus Guménin Barreto (1992- ) é poeta e tradutor mato-grossense. É autor dos livros de poemas “A máquina de carregar nadas” (7Letras, 2017) e “Poemas em torno do chão & Primeiros poemas” (Carlini & Caniato, 2018). Doutorando da Universidade de São Paulo (USP) na área de Língua e Literatura Alemãs – subárea tradução -, estudou também na Universidade de Heidelberg (Alemanha). Encontram-se textos seus no Brasil, na Espanha e em Portugal (Revista Cult, Escamandro, plaquete “Vozes, Versos”, Palavra Comum, Enfermaria 6, Revista Escriva [PUC-RS], Revista Magma [USP], Revista Opiniães [USP], A Bacana, Diário de Cuiabá; entre outros), e integrou o Printemps Littéraire Brésilien 2018 na França e na Bélgica a convite da Universidade Sorbonne. Publicou em periódicos ou em livros traduções de Bertolt Brecht, Erich Kästner, Ingeborg Bachmann, Johannes Bobrowski, Nelly Sachs, Paul Celan, Peter Waterhouse e outros.
http://www.matheusgumenin.com
matheusgumenin@hotmail.com

Quinta Maldita #49 – Literatura & Crise – 23.5.2019

Literatura & Crise | Quinta Maldita #49
Idealização: Demétrio Panarotto
Montagem: Marcio Fontoura
Produção: Desterro Cultural com parceria da Ruído Manifesto. Música de Joan Tower.

Com as vozes de:

1 – Adelaide Ivánova (PE) – Piriguetismo de guerrilha (Pra Maria Filipa)
2 – Tarso de Melo (SP) – Variações sobre o medo
3 – Hirondina Joshua (Moçambique) – [sem título]
4 – Fabiano Calixto (PE) – Cadáver esquisito
5 – Natasha Felix (SP) – Feliz como Lázaro
6 – Ronald Augusto (RS) – Em resposta a uma outra solicitação que lhe fizeram
7 – Cinthia Kriemler (RJ/DF) – Lixo
8 – Ismar Tirelli Neto (RJ) – [sem título]
9 – Divanize Carbonieri (SP/MT) – Bagaço
10 – Matheus Guménin Barreto (MT) – [sem título]
11 – Lívia Bertges (MG/MT) – Lama
12 – Óscar Fanheiro (Moçambique) – [sem título]
13 – Marceli Andresa Becker (RS) – [sem título]
14 – Natália Agra (AL) – Canção para W. B. Yeats
15 – Sofia Ferrés (Uruguai/SP) – [sem título]
16 – Marcelo Labes (SC) – Mare nostrum
17 – Adriane Garcia (MG) – Adoro os grandes capitalistas
18 – Duan Kissonde (RS) – [sem título]
19 – Ângela Coradini (MT) – Poema treze
20 – Gustavo Matte (SC/RS) – [sem título]
21 – Tita F. Martinuci (PR/MT) – [sem título]
22 – Bruna Mitrano (RJ) – [sem título]

Quinta Maldita #22 – Afeto & Erotismo – 15.3.2018

Afeto & Erotismo | Quinta Maldita #22
Idealização: Demétrio Panarotto
Montagem: Marcio Fontoura
Produção: Desterro Cultural com parceria da Ruído Manifesto. Música de Sofia Gubaidulina. Pintura de Mark Rothko.

Com as vozes de:

01 Micheliny Verunschk – [sem título]
02 Natalia Borges Polesso – Saliva
03 Casé Lontra Marques – Encaixar o rosto nos ossos
04 Aline Bei – Penetração
05 Matheus Guménin Barreto – Um corpo incendiado: este
06 Caio Augusto Leite – [sem título]
07 Natasha Felix – [sem título]
08 Ave Terrena Alves – [sem título]
09 Gustavo Cardoso – Copacabana
10 Joe Sales – Amor de ainda
11 Marilia Beatriz de Figueiredo Leite – [sem título]
12 Leonardo Chioda – Escreveu certa vez o fotógrafo Duane Michals
13 Luana Claro – [sem título]
14 Marcelo Labes – Inverno
15 Lilian Sais – Manual pornodidático para homens
16 Rafael Tahan – Pathos
17 Santiago Santos – Raiane
18 Rodivaldo Ribeiro – Uma dúvida
19 Tita F. Martinuci – [sem título]
20 Wuldson Marcelo – Da estrada e sobre ela
21 Simone Brantes – Pote

 

3 poemas inéditos de Matheus Guménin Barreto – Revista Pixé nº3 – 31.5.2019

(Fonte: https://www.revistapixe.com.br/ )
Aquilo que me sou não me é nunca.
Pensando o que serei no escasso espaço
de mim, não sei se penso e sou aquilo
ou se, pensando, passa o tempo e passo

– se passo e já não sou o que pensara,
nem o que penso agora e que já passa.
Não sei se algum momento embosco aquele
que vejo ou se descubro-me sua caça.

*

corpo: que coisa será essa
a que servirá ou a quem, computará quem
os beijos que deu e dará e quem os tons
de carmim que já viu aos domingos e quem
os cachorros que lhe lamberam os dedos e quando
e quem computará as madrugadas e o branco que fazem
e quem
os sons que gestou na garganta e não disse e quem
o amor miúdo e bom que reina entre as paredes de um apartamento e quem
dirá a esse corpo que tudo
cedo ou tarde
não vai ter existido
na garganta faminta do tempo?

*

Como escrever um poema
enquanto a fome carcome um corpo a-
inda que um só corpo ainda que como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um poema como escrever um

 

***

 

*Matheus Guménin Barreto (1992- ) é poeta e tradutor mato-grossense. É autor dos livros de poemas A máquina de carregar nadas (7Letras, 2017) e Poemas em torno do chão & Primeiros poemas (Carlini & Caniato, 2018). Doutorando da Universidade de São Paulo (USP) na área de Língua e Literatura Alemãs – subárea tradução -, estudou também na Universidade de Heidelberg (Alemanha). Encontram-se poemas seus no Brasil, na Espanha e em Portugal (Revista Cult, Escamandro, plaquete “Vozes, Versos”, Mallarmargens, Palavra Comum e Diário de Cuiabá; entre outros), e integrou o Printemps Littéraire Brésilien 2018 na França e na Bélgica a convite da Universidade Sorbonne.