A variedade poética em “A máquina de carregar nadas” – Leonardo Antunes – 4.12.2017

*por Leonardo Antunes, poeta, tradutor e professor de Língua e Literatura Gregas na UFRGS

4 de dezembro de 2017

Matheus Guménin Barreto (Cuiabá, 1992), mestrando em Letras pela USP e tradutor de Brecht e Bachmann, acaba de lançar seu quarto livro de poemas, a máquina de carregar nadas (7Letras, 2017), em que nos apresenta um admirável portfólio poético, testemunho de sensibilidade e variegada técnica no trato com a linguagem.

O livro se estrutura em três partes, constituindo um percurso estilístico que se inicia com uma estética clássica, passa por uma poética modernista e termina com exercícios de vanguarda contemporânea. Nesse percurso, passamos de uma subjetividade autocentrada que se desloca, na segunda parte, para um contato com o outro e com o horror que há no mundo. Disso, resulta uma crise, localizada na terceira parte e manifesta num esfacelamento da própria forma poética, que, logo depois, tenta se reestruturar em uma linguagem estética para nossos dias.

Da primeira parte do livro, note-se o poema abaixo, “CANTO APAZIGUADO”:

O que sobra das mãos são as sombras dos gestos
que, já feitos, nos jazem nas mãos sepultados.

O que sobra de olhares: o breve relance
que, de breve, se perde entre o feito e o lembrado.

O que resta de risos são luzes de dentes
entrevistos por entre a cortina do lábio.

O que resta da vida é a vida que fica
e ficando é que parte ao eterno adiado.

O processo notado acima, de buscar o essencial da experiência de mundo, é um dos motes principais do livro de Barreto. Esse tópos atinge sua maturação na segunda parte do livro, como se percebe no poema “PRIMEIRO”, reproduzido a seguir:

O toque mesmo nas coisas
para lembrar as mãos da
arquitetura limpa daquilo
que o mundo gestou.

A mão limpa, cartesiana, reta
pelas coisas
para tirar o pó sobre os nomes

sol, xícara, casca, ladrilho, pêssego, miséria

e tocar outra vez
como no Dia Primeiro
algo dos nomes
que vibre.

Esse segundo movimento, da parte central do livro, a meu ver é o mais maduro dos três. Ali, encontram-se alguns dos poemas mais interessantes do livro, como essa variação de um tema clássico da poética grega (“Para os terrestres, de tudo, o melhor é jamais ter nascido”, v. 425 do Corpus Thegonideum), no poema “O CANTO”, a partir de uma estética modernista:

[Quisera não nascer homem
ou, melhor, não ter nascido,
se ser é se perder sempre
e nascer é nunca ter sido]

Olhai o galho à janela.
É duro e de morrer não nasce
e sem nascer e sem morrer deita
[à eternidade
a face.

Olha o gato esquecido de nascer.
Olha o cão olha o peixe olha a ara-
nha.
Esquecidos de nascer
[nascem
e perduram no tempo comprido.

Quisera não nascer homem
[ou, melhor, não ter nascido,
se ser é se perder sempre
e nascer é não ter existido]

A terceira parte do livro, por sua vez, traz poemas bastante experimentais, como um que se resume a pautas musicais com uma grave nota “Sol” repetida por algumas páginas, como resultado do esfacelamento da linguagem durante o percurso de contato do eu com o mundo.

No todo, perdura no livro de Barreto uma extrema sensibilidade em lidar com as coisas cotidianas e delas extrair uma experiência que nos move. Mesmo em poemas minimalistas, como são muitos dos da terceira parte, o poeta é capaz de prender nossa atenção com alguma imagem construída com concisa precisão, como a do poema abaixo, sem título:

raia a navalha do sol
límpida, ascética, dura

Com a apresentação dessa variedade de estilos e tendências, todas perpassadas por uma voz de arguta sensibilidade, Barreto demonstra maturidade poética, deixando-nos com a certeza de que possui amplitude técnica para produzir poesia de alta complexidade formal em qualquer estilo em que decidir se experimentar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s