Um poema de Matheus Guménin Barreto – Revista Devaneio nº 9 / Portugal – 4.2022

(Fonte: https://linktr.ee/revistadevaneio )

 

Matheus Guménin Barreto é poeta e tradutor brasileiro (1992, Cuiabá). É autor de A máquina de carregar nadas (7Letras, 2017), Poemas em torno do chão & Primeiros poemas (Carlini & Caniato, 2018) e Mesmo que seja noite (Corsário-Satã, 2020). Doutorando da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Leipzig na área de Língua e Literatura Alemãs, estudou também na Universidade de Heidelberg. Teve poemas seus traduzidos para o inglês, o espanhol, o alemão e o catalão; publicados em revistas no Brasil, na Espanha, no México e em Portugal; e integrou o Printemps Littéraire Brésilien 2018 na França e na Bélgica a convite da Universidade Sorbonne. Traduziu Bertolt Brecht, Ingeborg Bachmann, Johannes Bobrowski, Nelly Sachs, Paul Celan, Peter Waterhouse, Rainer Maria Rilke e outros.

“[Aquilo que me sou não me é nunca]” integra Poemas em torno do chão & Primeiros poemas.

 

***

 

Aquilo que me sou não me é nunca.

Pensando o que serei no escasso espaço

de mim, não sei se penso e sou aquilo

ou se, pensando, passa o tempo e passo

 

– se passo e já não sou o que pensara,

nem o que penso agora e que já passa.

Não sei se algum momento embosco aquele

que busco ou se descubro-me sua caça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s