Cinco poemas do livro “Poemas em torno do chão & Primeiros poemas” de Matheus Guménin Barreto – Ruído Manifesto – 7.12.2018

(Fonte: http://ruidomanifesto.org/cinco-poemas-de-matheus-gumenin-barreto/ )

Os cinco poemas abaixo fazem parte do livro Poemas em torno do chão & Primeiros poemas (Carlini & Caniato, 2018), que será lançado em box da editora com outros 9 livros do modernismo e do período contemporâneo mato-grossenses. O lançamento acontece no dia 10/12/2018 na Casa Barão de Melgaço (Cuiabá) às 19h30.

A carta ao final da postagem foi escrita pelo poeta catarinense Marcelo Labes em 26 de abril de 2018 e o artigo sobre o poema “Cuiabá/Chapada dos Guimarães” foi escrito pela poeta Lucinda Nogueira Persona (e originalmente publicado no Diário de Cuiabá no dia 8 de julho de 2017).

***

3. El rumorear
(e entre os muros entre os ramos entre as fontes
por detrás do espelho
-d’água
rumoreja baixinho aquele sangue
derramado
além-mar)

26-3-2017

[da seção “Poemas espanhóis”]

*

6. Oleaje
muro branco
onde os adeuses do mar se recolhem junto à sombra,
salgados e frescos.

27-3-2017

[da seção “Poemas espanhóis”]

*

Cuiabá/Chapada dos Guimarães
O vento professa à rocha
suas aulas do desfazer-se
de tudo no tempo. O vento
arranca, da rocha, a areia:

de grão em grão faz escola:
a rocha, no ensinamento,
é aluna: na lição dura
de nada durar no tempo.

Os rubros montes de areia
– Chapada dos Guimarães
em torno de Cuiabá –
aprendem suas lições.

Os montes de forma fraca
desfazem-se ante um ditado
do vento: de que o que o homem
ergueu, o que ele escancara,

esconde e derruba o tempo:
que aquilo que o braço monta
o sopro derrubará:
que aquilo que o sonho encontra

e o homem faz realidade
o tempo outra vez o acha
e torna outra vez em sonho
que ninguém mais sonhará.

Paciente labor do vento,
irmão mais novo do tempo,
que esculpe Chapada grão
por grão: apesar de lento,

certeiro é no seu trabalho:
que é muito apesar de pouco,
que é grande mesmo pequeno,
que é muitos trabalhos poucos.

Os montes têm nessa escola
lição de se desfazer:
que o pouco que faz o homem,
que o muito que o homem vê

apaga-se sobre a pedra
do tempo em geometrias
secretas ao despencar:
desfaz qual desfeito é um dia

na barra vermelho-roxa
da tarde, em seu é-não-é.
Aquilo que o homem faz,
aquilo que o homem vê,

aquilo que o homem cala,
aquilo que o homem diz,
aquilo que o homem prende
aquilo que o homem quis

aprende a lição que aprende
o monte, ao se desfazer.
O monte rubro-laranja:
quando ele iria dizer

do tempo o grande segredo,
a resposta que se espera —
despenca em areia branda
pra lá do que já não é.

O vento professa à rocha
suas aulas do desfazer-se
de tudo no tempo. O vento,
de régua em mãos, instrui: tempo.

27/06/2017

[da seção de mesmo nome]

*

d – Fora da casa: as ruas de Cuiabá  
Os cacos da luz mastigados
pelo sol
as arestas e as linhas retas e os ângulos
claros
claros como a clara do ovo claros
como a espuma dos mares claros
como a quina do último quarto onde o amor se fará, no último dia do tempo:

cuia-
bá suas forjas visíveis
onde o ferreiro o ferreiro faz suas lâminas de
luz
e as refaz, todos os dias

onde cada aresta é a não-aresta,
a pino,
e o sol come folhas das nossas mãos.

[do poema narrativo homoerótico “Cuiabá”]

*

Desassossego
b)
Dedos que aquecem-se à chama
morna da sarça dos dias,
confusos de si e da chama.
Confusos do que os chama
– que deus ‘inda os chamaria?
Nenhum. E arde o tempo em frente
e ardendo forma-se sempre
da parte de si que ardia.

[da seção “O não chão”]

*

Uma carta

Texto escrito e enviado de Florianópolis pelo poeta Marcelo Labes no dia 26 de abril de 2018.

Neno querido,

tu me colocas numa situação confortável e estranha quando me envias teus poemas. Pedi para que me contextualizasses a fim de eu saber quando e como. E a minha surpresa ao saber que esses poemas do “O não chão” são de agora. Então me explico para te falar de conforto e estranheza.

O conforto surge ao ler um poeta maior. Digo isso porque nós, poetas menores, não só não nos acostumamos à forma como nos limitamos aos conteúdos menores, de poetas menores. Por quê? Ora, certamente porque há um cuidado – e já falei disso antes – no que escrever. Um cuidado cirúrgico, quase. Um olhar minucioso sobre o poema. Uma lapidação que não nos mostra a pedra como veríamos numa vitrine, não. É um formato novo, ainda que antigo: é um formato todo teu, Matheus.

Sobre a estranheza, acho que me alongo.

Vejo isso em “O não chão” como vejo em teus primeiros. Há um conflito latente ali. Não sei se identifico o que me aparece, mas talvez seja um duelo entre uma forma antiga – ou uma recordação de formato – , e uma linguagem que comunica e não esconde nada. Se no chiaroscuro temos as sombras, onde nem tudo é visível e, o que é, muitas vezes é disforme, teus poemas não deixam um lado vazio: eles mostram, pelo contrário, luz e sombra do humano, do sujeito este, de carne e osso, com a alma confusa, como geralmente somos.

A propósito, retorno ao tema do poeta maior. Porque para além da lapidação, há outro olhar (com lupa?, com telescópio?, microscópio?, com o quê?) que nos desnuda a todos pela tua palavra. Ora, que isso se deve ao ofício de poeta. Mas assim, Matheus, assim o ofício se cumpre tão inteiramente que não chega a haver um outro lado do poema. Se nessa intenção barroca, se naquela intenção juvenil de “Primeiros poemas”, tanto faz: há ali um todo espantoso, uma completude alcançada com as palavras e, nelas, com a tua humanidade – que não é a nossa humanidade, é outra coisa, é além – que me faz parar e me diminuir diante de teus poemas.

Sinto-me contemplado. Sinto-me enxergado. Sinto-me desafiado a tratar a língua com mais respeito e destreza.

Se não dissesse ali serem essa a tua juvenília, pensaria ser os poemas de antes de ontem. E são, de certa forma, porque imagino que aí, como aqui, o tempo é um brinquedo com o qual nos divertimos.

Teus poemas são bálsamo. E se já disse isso, repito agora com mais força: teus poemas são bálsamo.

E eu, e nós, humanos sem cura, nós te precisamos.

Beijo grande.

Saudade.

Marcelo

Marcelo Labes: poeta catarinense, autor de Enclave (Editora Patuá, 2018), Trapaça (Oito e Meio, 2016), O filho da empregada (Antítese, Hemisfério Sul, 2016), Porque sim não é resposta (Antítese, Hemisfério Sul, 2015) e Falações (EdiFurb, 2008).

 

 *

 

Lições através do vento

Texto de Lucinda Nogueira Persona publicado no Diário de Cuiabá no dia 8 de julho de 2017 junto ao poema “Cuiabá/Chapada dos Guimarães”.

A paisagem nasce na luz do olhar e representa um desafio à sensibilidade. Algumas vezes (senão todas) causa tamanho fascínio ou inquietação, ao ponto de levar o espírito às mais variadas expressões, principalmente na arte, dentre as quais a poesia responde com absoluta presteza.

É o que se observa no poema “Cuiabá/Chapada dos Guimarães”, de Matheus Guménin Barreto, sendo posto a serviço do leitor. No referido poema, o jovem autor trabalha com comarcas imanentes da existência: a passagem do tempo, os sonhos, as transformações, a morte. Sua visão particular recai sobre um patrimônio natural, um clássico comovente da geomorfologia mato-grossense, aquele que emoldurando o horizonte quando se olha de Cuiabá, traz a ideia de um lugar que não se pode deixar de conhecer.

Trata-se da extensa área de planalto, o relevo da Chapada dos Guimarães, com grandes encostas e escarpas de arenito vermelho, soerguidas a 600 ou 800 metros de altitude. Entretanto, isso ecoa como informação de uma aula um tanto comedida, padronizada. E esta não é a perspectiva do poeta, já nos versos iniciais: “O vento professa à rocha / suas aulas do desfazer-se / de tudo no tempo. O vento / arranca, da rocha, a areia”.

Matheus Guménin nos fala em termos de uma lição mais extensa, prática e fabulosa, na qual o professor é alguém que não para nunca, em milhares de anos de aulas diárias; a aluna é empedernida, conformada em seu torpor mineral e a sala de aula, nada convencional, está a céu aberto, sobre um chão cujo evento geológico mais recente (e que lhe deu a face atual) remonta a 15 milhões de anos. Desse chão emergem rochas varridas pelo vento. E o vento, de onde quer que venha, intenso ou não, dia a dia faz seu trabalho na pedra, que se perde como areia. Assim, a paisagem surge com força impositiva na argamassa do poema, onde as partes de um cenário colossal são evocadas para a tradução de uma experiência vinculada aos efeitos do tempo sobre as coisas e os seres.

Vários elementos podem ser apontados nas considerações de um dado poema, mas aqui, na sólida construção de 15 estrofes de Matheus Guménin, o grato parâmetro é a fração da natureza absorvida pelo olhar. Construindo o poema a partir da desconstrução das rochas pelo vento, o poeta revela um pouco daquilo que pensa, sente e acredita ser o mundo, a vida e a linguagem. Emoção e razão se contrabalançam em suas mãos e a forma adotada faz vislumbrar certa filiação ao universo cabralino. Ao longo do poema, o autor elege e agrega alguns signos (escola, lição, pedra) que nos remetem de algum modo ao “A educação pela pedra” de João Cabral de Melo Neto.

Na elaboração de Matheus Guménin, o sujeito poético se posiciona fora dos eventos que descreve, mas não deixa de estar diante do mundo, diante da vida e de si mesmo, como vítima da experiência. Uma experiência repassada para todos aqueles cujo apetite pelas transcendências seja inesgotável.

Lucinda Nogueira Persona: poeta, ficcionista, cronista, ocupa a cadeira nº 4 da Academia Mato-grossense de Letras. Graduada em Biologia (UFMT), Mestre em Histologia e Embriologia (UFRJ), com estágios profissionais na Universidade do Chile. Professora aposentada (UFMT / UNIC). Livros publicados (Poesia): Por imenso gosto (Massao Ohno, 1995), Ser cotidiano (7Letras, 1998), Sopa Escaldante (7Letras, 2001), Leito de Acaso (7Letras, 2004), Tempo comum (7Letras, 2009), Entre uma noite e outra (Entrelinhas, 2014).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s